30 de set de 2010

Categoricamente Inviável

Não sei o que faço pensando em ti, sabotando minha sensatez a serviço da ilusão. Caminho construído a passos largos de verdades particulares, pois assim se ganha mais tempo na hora de explicar ao ciúme os motivos da austeridade, cuja força depende de relativo sentimento de posse.

Cena de Histórias de amor duram apenas 90 minutos

Não estive lá de rosto colado com você naquela foto; não segurei sua mão naquela tatuagem que você suportou bravamente para ter gravada na pele; não estou no seu mural, no seu caderno de anotações, no seu chaveiro, enfim, na sua vida. Não posso sequer abonar as breguices do amor.

Tenho ciúme do que não vivi ao seu lado. E, mais além, padeço pelo que não serei lembrado.

3 de set de 2010

O Prazer em Fazer


O caminho percorrido é o próprio êxito quando é possível apontar atitudes gratuitas. Só mesmo uma boa dose de desprendimento pode evitar desarranjos emocionais. Não que seja da maior relevância, pois nem mesmo certos autores dos atos infracionais merecem tamanha distinção mental quando o assunto é maturidade.

Erro de raciocínio descarado, declarado e recorrente. Várias notas para um mesmo tom (de voz) que desembocam na finitude do conhecimento mútuo, porque não dizer na alegação da funcionalidade dos estereótipos, quem sabe até nas teorias de conspiração particulares.

Particularidades. Só.

Pra fazer, viver e se doar sem mais delongas.

Cena do filme (500) dias com ela
“Você não pode atribuir um significado cósmico a um simples evento terreno. Coincidência. É o que tudo é. Nada mais que coincidência.”