9 de set de 2011

Tarantino, Exploitation e Queens of The Stone Age

Death Proof, 2007 (dir. Quentin Tarantino)
À Prova de Morte (Death Proof, 2007) é a segunda parte de Grindhouse, projeto criado, escrito e dirigido por Quentin Tarantino e Robert Rodriguez. A empreitada era uma homenagem dos dois aos filmes de terror dos anos 70 que eram exibidos nos drive-in. Produções de custo barato que abusavam da estética exploitation: exploração do sexo, violência, drogas, monstros, nudez, kung fu, etc. Esses filmes se calcavam muito mais na publicidade desses temas do que nas qualidades da obra.

Cenas do filme Death Proof
À Prova de Morte tem todos os elementos que consagraram o cineasta e o tornaram um dos mais imitados e reverenciados ao redor do mundo.  Longos diálogos ácidos, violência graficamente estilizada, exploração do erotismo feminino com personagens marcantes e palavreado chulo estão entre as características principais de seu trabalhos. Tudo isso com uma trilha sonora recheada de clássicos de todos os gêneros pontuando as cenas. As tomadas são construídas com diferentes ângulos. E tome close-ups de pés descalços, rostos e personagens dando longas tragadas em seus cigarros, sem contar o uso de contra-plonguèes. Percebe-se também elementos cênicos que conectam com seus filmes anteriores, seja com personagens, locais, músicas ou marcas de produtos que não existem.

Uma grande referência ao trabalho dos diretores Tarantino e Rodriguez pode ser notada no videoclipe de 3's and 7's, da banda estadunidense Queens of The Stone Age.

Cenas do videocplipe 3's and 7's, do Qotsa.
O videoclipe flerta o tempo inteiro com o desejo latente entre carros potentes e vigorosos em equilíbrio com a anatomia feminina, mostrando perfeito encaixe com os anos 70. As cenas finais envolvendo dois potentes muscle cars são eletrizantes. Na tradução, os carros musculosos são típicos automóveis que surgiram nos anos 60 que tinham uma aparência robusta e equipados com potentes motores V8. Um sinônimo de velocidade, individualidade e atitude.

Print do single 3's and 7's.
Na verdade, pode-se dizer que o Qeens of The Stone Age é uma exploitation band. Seus sensacionalismos e espetáculos cuidadosamente confeccionados para a mídia, incluindo os strip-teases de Nick Oliveri frente à plateias de dezenas de milhares de pessoas (e eventuais passagens pela delegacia de polícia por atentado ao pudor) e músicas que só possuíam nomes de drogas vomitados um após outro em sequência brutal dão conta de tal associação.

"Nicotine, valium, vycodin, marijuana, ecstasy and alcohol"